Faça uma pergunta
Automação do processo, Indústria Automotiva, Safety

De para-choques de metal a plástico: em busca do equilíbrio entre estética e segurança

29 janeiro 2020

Quando Carl Benz patenteou seu Benz Patent-Motorwagen, o primeiro veículo a motor da história, em 1885, ele não pensou em instalar para-choques. Em seu projeto de carro, que era essencialmente um veículo de três rodas com rodas grandes, equipado com um motor de combustão, o pioneiro da motorização alemão não previu a necessidade de instalar peças e componentes que teriam um impacto decisivo na evolução do design e da segurança do carro, apesar da percepção da possibilidade de colisão entre veículos.

Os primeiros para-choques que conhecemos foram instalados em 1897 pela fabricante tcheca Nesselsdorfer Wagenbarr-Fabrïksgesellschaft, e apenas para fins estéticos.

Em 1901, o engenheiro britânico Frederick Richard Simms foi o primeiro a considerar os para-choques como tendo um certo papel na melhoria da segurança. Em 1905, ele registrou um pedido de patente para o amortecedor, alegando que seu objetivo era "evitar danos aos refletores, espelhos, radiadores e outras partes do veículo, que deveriam ser os últimos a colidir com um obstáculo, além da finalidade de proteger pessoas ou veículos na estrada ”. Ele também explicou que o "amortecedor" deveria ser fabricado "de forma semelhante aos pneus, ou feito de borracha sólida ou couro colmatado".

No entanto, os fabricantes não levaram em consideração suas especificações. À medida que as vendas de veículos novos aumentavam, tiras de aço eram instaladas na frente e atrás dos veículos. Os carros fabricados no final da década de 1920 eram pesados e perigosos. Para melhorar a proteção, as tiras finas de metal foram substituídas por barras duplas de aço unidas por duas longarinas.

O para-choque como um símbolo de identidade

Nas décadas de 1930 e 1940, os fabricantes de automóveis começaram a utilizar o potencial estético dos para-choques. Eles os juntaram à carroceria, enfatizaram sua presença e brincaram com sua forma, transformando-os em componentes-chave, dotando um veículo de personalidade.

Para-choques grandes, pesados e lustrosos, revestidos com cromo tornaram-se a característica de identificação das marcas americanas, que ainda exploravam suas possibilidades de design na década de 1960. Eles instalaram grades, iluminação e até canos de exaustão nos para-choques.

Pára-choques fabricado nas indústrias Knauf para um dos modelos da Renault.
Pára-choques fabricado nas indústrias Knauf para um dos modelos da Renault.

Os primeiros para-choques de plástico foram instalados pela General Motors no modelo Pontiac GTO desde 1968. Esse componente foi fabricado a partir de um elastômero chamado Endura, na cor da carroçaria, e foi projetado para absorver choques em baixas velocidades sem deformação permanente. Para-choques semelhantes também foram instalados no modelo Barracuda de Plymouth (1970-71). Outras empresas instalaram amortecedores de borracha em barras de metal para absorver choques.

Em 1973, as Normas Federais de Segurança para Veículos Automotores entraram em vigor. Esta foi uma inovação para o setor automotivo na América do Norte e para todas as marcas que exportavam seus veículos para os Estados Unidos.

Entre outras coisas, esses padrões definiam as dimensões e as funções de segurança dos para-choques, que preveniam danos aos carros em caso de colisão frontal a uma velocidade inferior a oito quilômetros por hora.

Todas as montadoras tiveram que adaptar o design dos modelos que venderam. Os fabricantes fizeram isso com um efeito estético, conforme descrito no relatório didático The Bumper Cars(Hagerty, 2015). No caso de novos modelos, os engenheiros fizeram um trabalho muito melhor. Graças aos padrões, a segurança dos passageiros se tornou uma prioridade para o setor automotivo na América do Norte e agora é levada em consideração especial ao projetar veículos.

Os plásticos entram em cena

Os fabricantes não tiveram escolha a não ser buscar novos materiais - mais leves, seguros e flexíveis, a fim de integrar esteticamente os para-choques com seus veículos. E assim, o metal cromado desapareceu devido ao seu peso e custos (a crise do petróleo de 1973 também teve um impacto). O plástico começou a aumentar sua importância.

Na Europa, os para-choques nunca foram tratados com ostentação como na América. A pesquisa em novos polímeros era mais avançada. Como consequência, em 1972, a Renault se tornou a primeira empresa a equipar seu popular modelo R5 com um para-choque de plástico.

Nos anos 80, os plásticos solidificaram sua posição como o principal componente de proteção nos veículos. Essa função evoluiu a tal ponto que, atualmente, os para-choques desempenham uma função estética, semelhante a sua função no início de sua história. O para-choque dianteiro está se tornando cada vez maior, para poder acomodar faróis de neblina, grades de entrada de ar, sensores de estacionamento...

A moldagem por injeção oferece inúmeras possibilidades de design, as quais, através da aparência do para-choque, possibilitam a um veículo a personalidade desejada pela marca: esporte, off-road, família etc.

Em contraste com os para-choques cromados do passado, os para-choques modernos feitos de plástico cobrem as peças que autenticamente tornam os carros muito mais seguros do que antes: amortecedores, suspensão, guarda-lamas ...

E é aí que começa o trabalho elementar dos fornecedores do setor automotivo, como a Knauf Industries Automotive especialistas na fabricação de peças plásticas de polipropileno expandido (EPP), cujas propriedades físicas o tornam o melhor material para reduzir o peso e melhorar a segurança dos automóveis.

Considerando sua história de um século, nada parece indicar que a evolução dos para-choques terminará aqui. Como eles serão daqui a vinte anos?

Precisa de suporte?

Faça uma pergunta.

Política de cookies

Este site usa cookies. Ao continuar a navegar no site, você concorda com o uso de cookies.
Descubra mais | Perto

 

Contato

Faça sua pergunta em uma pesquisa individualizada e vamos lhe dar uma resposta detalhada, em qualquer país/região onde você precisar de nosso apoio.