Faça uma pergunta
Futuro, Indústria Automotiva, Tendências

Por que os carros urbanos continuam aumentando seu tamanho e como reduzir seu peso com componentes modernos de EPP?

25 agosto 2020

Olhando para a evolução dos modelos dos principais carros populares compactos urbanos nas últimas décadas, pode-se ver que seus designs não apenas se tornaram mais arredondados, mas também são significativamente mais longos e mais largos. De onde vem e quais são os desafios que eles representam para os designers da indústria automotiva?

Na década de 1980, os carros tinham um design muito mais simples, caracterizado por linhas geométricas nítidas. Hoje, quando você olha os equivalentes modernos dos modelos clássicos, tem a impressão de que eles estão mais "inflados", mais altos e mais longos. Isso está relacionado, entre outras coisas, às necessidades dos consumidores modernos, que buscam carros mais confortáveis ​​e mais bonitos e com um interior espaçoso. Isso é particularmente verdadeiro para o segmento B.

Os carros de cidade de hoje são visivelmente maiores do que os das décadas anteriores.
Os carros de cidade de hoje são visivelmente maiores do que os das décadas anteriores.

Os carros de cidade pequenos cresceram tanto nos últimos anos que se aproximaram do segmento C, ou seja, alguns crossovers ou SUVs. O aumento das dimensões externas do carro se traduz em uma largura de faixa de roda maior e pneus mais largos, e isso pode tornar muito difícil manobrar em ruas movimentadas da cidade. Aumentar o peso total do veículo também significa maior combustão. Tudo isso significa que a indústria automotiva deve buscar as soluções ideais para conciliar os requisitos de segurança e conforto para os usuários com as regulamentações mais rígidas sobre emissões de CO2

Por que os carros compactos urbanos ainda estão crescendo?

A razão mais importante para o crescimento contínuo dos carros urbanos são os requisitos de segurança. O contorno do carro mais arredondado é o resultado de zonas de deformação cuidadosamente projetadas para proteger os passageiros dos impactos laterais. O fato de os carros de hoje estarem cada vez mais equipados com sensores e eletrônicos, que também requerem espaço para instalação, também é significativo. Além disso, existe um fator psicológico – simplesmente nos sentimos mais seguros em um carro maior. É por isso que nos últimos anos assistimos a uma mudança dos carros menores urbanos da classe A para o segmento B e C "ampliado", que oferece mais espaço na cabine e no porta-malas.

Seguindo as exigências de conforto, a largura dos assentos do carro aumentou e o equipamento ficou mais rico. A importância do segmento Premium agora cresce na indústria automotiva, e a globalização faz com que os fabricantes de automóveis se empenhem em unificar suas ofertas direcionadas à Europa, Ásia e América. Ao mesmo tempo, o mercado americano é o mais importante, e definitivamente dominado por carros grandes. Entre as razões para o aumento do tamanho dos automóveis, podemos citar também a mais pitoresca – a crescente altura média dos europeus. Estima-se que desde a segunda metade do século XIX tenha aumentado cerca de 10 cm. Os carros devem, portanto, ser mais longos e para manter as proporções – eles também se tornaram mais largos.

Qual será o tamanho dos carros do futuro?

Embora pareça que os carros de amanhã serão muito maiores, o máximo nesse aspecto já foi alcançado. Projetar o tamanho de um carro é limitado pelos aspectos do desenvolvimento da infraestrutura. O espaço nas estradas e nos estacionamentos não aumenta; na verdade, em muitas cidades europeias a tendência é o oposto. Os centros das cidades estão fechados ao trânsito automóvel e a tendência para um estilo de vida saudável provoca o aumento do número de ciclovias. Portanto, os fabricantes também enfrentam o desafio de reduzir a combustão e as emissões de CO2, embora veículos mais pesados ​​exijam motores mais fortes.

Os carros certamente não ficarão menores, mas suas formas podem mudar. Mais linhas de fluxo e silhueta corporal mais estreita reduziriam a resistência aerodinâmica, que se traduziria em menor combustão. A utilização de pneus mais estreitos, como ocorre atualmente em alguns modelos de carros elétricos, também atende a essa finalidade, o que contribui para reduzir a resistência ao rolamento. No entanto, o elemento chave para "emagrecer" os carros é principalmente o uso de materiais mais leves, mas altamente duráveis, como espuma de polipropileno (EPP)

Assentos de carro mais leves e sistemas de segurança em carros

Peças multicomponentes, como assentos reforçados, podem ser facilmente produzidas com EPP.
Peças multicomponentes, como assentos reforçados, podem ser facilmente produzidas com EPP.

O aumento do peso médio total do veículo não se deve apenas ao aumento das dimensões, mas também a melhores equipamentos, que devem garantir mais conforto e segurança. Além dos assentos serem mais largos, muitas vezes possuem mecanismos adicionais que permitem o ajuste em um maior número de posições. Pilares e reforços estão se tornando cada vez mais grossos, de modo que a cabine pode formar uma forte “gaiola” protegendo o motorista e os passageiros em caso de colisão.

Outro problema cada vez mais comum é a proteção acústica da cabine, o que exigiria quilos adicionais de isolamento. Em todas essas áreas, os componentes modernos de espuma de polipropileno (EPP) produzidos entre outros locais nas Indústrias Knauf em Wrocław e Adamowice são perfeitamente aplicáveis. Este material combina resistência a danos mecânicos e deformação com baixo peso em comparação com os tradicionais recheios de assento, elementos de amortecimento de impacto ou isoladores de som. O material oferecido pela Knauf Industries está disponível em uma ampla faixa de densidades – de 15 a 250 gramas por litro. Isso permite que os elementos produzidos a partir dele recebam propriedades estritamente definidas relacionadas à resistência a impactos fortes, amortecimento sonoro ou flexibilidade. A grande vantagem desta tecnologia é que as peças moldadas em EPP podem ser facilmente combinadas com outros materiais. Mesmo peças multicomponentes muito complexas, como por exemplo, com reforços de alumínio, superfícies de ABS ou acabamentos em tecido, podem ser produzidos de forma rápida e econômica em um único e complexo processo de produção.

Precisa de suporte?

Faça uma pergunta.

Política de cookies

Este site usa cookies. Ao continuar a navegar no site, você concorda com o uso de cookies.
Descubra mais | Perto

 

Contato

Faça sua pergunta em uma pesquisa individualizada e vamos lhe dar uma resposta detalhada, em qualquer país/região onde você precisar de nosso apoio.