Faça uma pergunta
Futuro, Tendências, Bateria de carro

A era Diesel está chegando ao fim?

30 outubro 2021

O novo projeto de regulamento elaborado pela Comissão Europeia prevê a proibição da venda de veículos com motores de combustão a partir de 2035. Se esse projeto for  adotado, em 14 anos todos os carros novos na Europa serão totalmente zero emissões, elétricos ou movidos a hidrogênio. Isso também significa que o desenvolvimento de tecnologias automotivas verdes e a expansão da infraestrutura para carregar esses veículos terão que acelerar significativamente.

A proibição da venda de carros a diesel na Europa pode ocorrer em 2035
A proibição da venda de carros a diesel na Europa pode ocorrer em 2035

A indústria automotiva vem se preparando há anos para as limitações muito restritivas decorrentes da estratégia ambiental adotada pela União Europeia. O objetivo para 2030 é reduzir as emissões de CO2 em pelo menos 55% em relação a 1990 e, em última análise, para a União Europeia atingir a neutralidade climática em 2050. O setor automotivo não está apenas produzindo carros com motor de combustão que atendem aos requisitos de emissão cada vez mais rigorosos, mas está também aumentando a proporção de carros elétricos e híbridos.

Ao mesmo tempo, menos carros a diesel estão sendo produzidos devido aos limites. Alguns fabricantes declaram que não desenvolverão mais a próxima geração de diesel ou mesmo interromperão sua produção em breve. Além disso, há já algum tempo que os automóveis com motor diesel estão proibidos de entrar em determinadas zonas da Europa. Tudo isso se traduz em uma queda constante nas vendas de carros a diesel e pode significar sua retirada da oferta de alguns fabricantes ainda antes de 2035.

Diesel ou gasolina, ou talvez combustível alternativo?

O último relatório publicado pela European Automobile Manufacturers 'Association ACEA mostra que no segundo trimestre de 2021 a participação dos carros a diesel nas vendas totais foi de apenas 20%. Os melhores desempenhos a este respeito são os automóveis com motores a gasolina com 42%, seguidos pelos automóveis com sistemas de propulsão alternativos, ou seja, vários tipos de automóveis elétricos, que constituem agora mais de 32% do mercado. Isso significa uma substituição gradual dos motores diesel por tecnologias verdes. Isso não é apenas o resultado de uma crescente consciência ambiental, mas também de considerações práticas. Em muitas cidades europeias, você só pode dirigir um carro a diesel se for novo e tiver um adesivo especial de baixa emissão.

Porém, em alguns locais, a entrada de tais veículos é totalmente proibida, mesmo que atendam aos mais elevados padrões de emissão de partículas e óxidos de nitrogênio Euro 6. As chamadas zonas azuis já foram estabelecidas  em Berlim e Paris. Além disso, em 2025 não será mais possível entrar no centro de Paris, Madrid ou Atenas. Outras restrições para motores diesel resultam de sua alta nocividade para a saúde e o meio ambiente, o que afeta particularmente as gerações mais antigas de veículos. Um estudo da organização ADAC realizado há alguns anos em 38 carros a diesel mostrou que alguns excediam os padrões de emissões de óxido de nitrogênio em até 900%. Esses compostos podem causar doenças cardíacas e respiratórias, bem como câncer.

Carros elétricos e a hidrogênio em vez de diesel

A espuma EPP usada em baterias de íon-lítio protege as células e prolonga sua vida útil
A espuma EPP usada em baterias de íon-lítio protege as células e prolonga sua vida útil

Se o novo projeto de regulamento for aprovado por todos os países da UE, não só os carros a diesel serão definitivamente retirados da venda em toda a Europa em 2035, mas também a gasolina e até mesmo os carros híbridos. Isso significa que o trabalho com tecnologias de emissão zero – baterias para carros elétricos e células de hidrogênio – terá que ser acelerado. 

Além disso, será necessária a ampliação da rede de pontos de recarga para veículos de propulsão alternativos. O novo projeto de regulamento impõe aos Estados-Membros a obrigação de fornecer estações de carregamento a cada 60 km ao longo das autoestradas e pontos de carregamento de hidrogênio no máximo a cada 150 km, bem como aumentar a densidade deste tipo de infraestrutura nas cidades. Também será necessário ampliar a autonomia dos carros elétricos, o que envolve, por um lado, o aumento da capacidade das baterias e, por outro, a redução do próprio peso, o que reduzirá a demanda de energia. Projetos novos e mais leves, no entanto, requerem o uso de materiais inovadores e ultraleves.

EPP expandido; polipropileno espumado dá 'potencia' a revolução verde

Há já algum tempo, os fabricantes de automóveis procuram novas tecnologias e materiais de produção, mantendo os melhores parâmetros possíveis relacionados com a resistência e, consequentemente, a segurança dos veículos. Nesse contexto, o papel fundamental é desempenhado pelas modernas espumas de EPP, amplamente utilizadas na produção de elementos de carroceria – tanto interna quanto externamente. 

A tecnologia de processamento de espuma de polipropileno permite a produção econômica até mesmo de componentes complexos de baterias
A tecnologia de processamento de espuma de polipropileno permite a produção econômica até mesmo de componentes complexos de baterias

As peças automotivas em EPP moldadas à pressão são caracterizadas pela alta resistência a danos mecânicos e não se desintegram em pedaços, ao mesmo tempo que exibem a capacidade de retornar à sua forma anterior. Graças a isso, são perfeitos como elementos de segurança passiva, como preenchimentos de para-choques, encostos de cabeça ou bancos traseiros. Ao mesmo tempo, apresentam excelentes propriedades de isolamento acústico e térmico, o que significa que são utilizados como  por exemplo, como forro de portas e pisos, protegendo eficazmente o interior do automóvel contra as condições climáticas desfavoráveis ​​e ruídos. 

Recentemente, também têm sido utilizados na fabricação de componentes para baterias de carros elétricos, onde atuam como isolantes e fixadores. Sua vantagem significativa sobre a espuma de plástico tradicional é seu peso mínimo e capacidade de reciclagem, que também atende aos rígidos requisitos impostos aos fabricantes de automóveis pela União Europeia. É também a escolha ideal do ponto de vista econômico – o método de moldagem pneumática de peças de automóveis em combinação com as tecnologias de modelagem mais recentes permite o início fácil da produção em massa, mesmo dos projetos mais complexos.

Precisa de suporte?

Faça uma pergunta.

Política de cookies

Este site usa cookies. Ao continuar a navegar no site, você concorda com o uso de cookies.
Descubra mais | Perto

 

Contato

Faça sua pergunta em uma pesquisa individualizada e vamos lhe dar uma resposta detalhada, em qualquer país/região onde você precisar de nosso apoio.